São Gonçalo de Lagos, homem zeloso e cheio de pureza

By / 27th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

Dedicou-se à uma vida de jejuns e penitências enquanto aplicava-se às letras e aos estudos

Este santo português nasceu em Lagos, no Algarve, por volta do ano de 1370. Tomou o hábito de Santo Agostinho no convento da Graça, em Lisboa, aos 20 anos.

Dedicou-se à uma vida de jejuns e de penitências enquanto aplicava-se às letras, aos estudos. Homem zeloso na vivência da Regra Religiosa, virtuoso e cheio de pureza, Gonçalo dedicou-se também à pregação chegando a ser superior de alguns mosteiros da sua Ordem.

O último mosteiro foi o de Torres Vedras, onde morreu em 1422, depois de exortar aos que viviam com ele no mosteiro à observância religiosa e à uma vida virtuosa.

São Gonçalo de Lagos, rogai por nós!

Mensagem sobre fundamentalismo e intolerância contra símbolos da fé

By / 27th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off
Mensagem sobre fundamentalismo e intolerância contra símbolos da fé

Motivados por acontecimentos recentes envolvendo a utilização de símbolos religiosos da fé católica em manifestações isoladas e exposições “artísticas”, os bispos que integram o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), elaboraram a mensagem ao povo brasileiro, divulgada em Coletiva de Imprensa, realizada na sede da entidade, dia 26/10.

No documento, os bispos reconhecem que “em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino”.

Contudo, recentemente, a mensagem destaca que “crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”.

Integram o Conselho Permanente da CNBB, a presidência da entidade, os bispos presidentes das Comissões Episcopais Pastorais (Consep) e os bispos presidentes dos 18 regionais da CNBB.

Confira, abaixo, a íntegra do documento.

 

MENSAGEM DA CNBB MENSAGEM DA CNBB

Vencer a intolerância e o fundamentalismo

“E Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom”  (Gn 1,31)

Os bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, reunidos em Brasília de 24 a 26 de outubro de 2017, dirigem esta mensagem ao povo brasileiro, diante de recentes fatos que, em nome da arte e da cultura, desrespeitaram a sexualidade humana e vilipendiaram símbolos e sinais religiosos, dentre eles o crucifixo e a Eucaristia, tão caros à fé dos católicos.

Em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino. “A arte é como uma porta aberta para o infinito, para uma beleza e para uma verdade que vão mais além da vida quotidiana” (Bento XVI – 2011). O mundo no qual vivemos, ensina Paulo VI, precisa de beleza para não cair no desespero (Cf. Mensagem aos Artistas – 1965).

Reconhecemos que “para transmitir a mensagem que Cristo lhe confiou, a Igreja tem necessidade da arte” (São João Paulo II – Carta aos artistas 1999). Somos, por isso, agradecidos aos artistas pela infinidade de obras que enriquecem a cultura, animam o espírito e inspiram a fé. Merecem destaque a pintura, a música, a arquitetura, a escultura e tantas outras expressões artísticas que ressaltam a beleza da criação, do ser humano, da sexualidade, e o espírito religioso do povo brasileiro. Arte e fé, portanto, devem caminhar unidas, numa harmonia que respeita os valores e a sensibilidade de cada uma e de toda pessoa humana na sua cultura e nos seus valores.

Lamentavelmente, crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável. O desrespeito e a intolerância, por parte de artistas para com esses valores, fecham as portas ao diálogo, constroem muros e impedem a cultura do encontro. Preocupam, portanto, o nível e a abrangência destas intolerâncias que, demasiadamente alimentadas em redes sociais, têm levado pessoas e grupos a radicalismos que põem em risco o justo apreço pela arte, a autêntica liberdade, a sexualidade, os direitos humanos, a democracia do País.

Vivemos numa sociedade pluralista, por isto, precisamos saber conviver com os diferentes. Isso, contudo, não subtrai à Igreja o direito de anunciar o Evangelho e as verdades nele contidas, a respeito de Deus, do ser humano e da criação. Em desacordo com ideologias como a de gênero, é nosso dever ressaltar, sempre mais, a beleza do homem e da mulher, tais como Deus os criou, bem como os valores da fé, expressos também nos símbolos religiosos que, com sua arte e beleza, nos remetem a Deus. Desrespeitar estes símbolos é vilipendiar o coração de quem os considera instrumentos sagrados na sua relação com Deus, além de constituir crime previsto no Código Penal.

Animamos a sociedade brasileira a promover o diálogo e o encontro, por meio dos quais as pessoas, em suas diferenças, respeitam e exigem respeito, e permitem sentir a riqueza que cada um traz dentro de si.

Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Padroeira dos brasileiros, nos ensine o caminho da beleza e do amor, da fraternidade e da paz.

Brasília, 26 de outubro de 2017.

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

São João de Capistrano, sábio e prudente

By / 23rd outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

São João de Capistrano, consagrou-se ao poder do Espírito no apostolado da pregação

O santo de hoje fez da ação um ato de amor e do amor uma força para a ação, por isso, muito penitente e grande devoto do nome de Jesus chegou à santidade. João nasceu em Capistrano (Itália), em 1386, e com privilegiado e belos talentos, cursou os estudos jurídicos na universidade de Perusa.

Juiz de direito, casado e nomeado governador de uma cidade na Itália, acabou na prisão por causa de intrigas políticas. Diante do sistema do mundo, frágil, felicidade terrena, e após a morte de sua esposa, João quis entrar numa Ordem religiosa. Com este objetivo teve João a coragem de vender os bens, pagar o resgate de sua missão, dar o resto aos pobres e seguir Jesus como São Francisco de Assis. O superior da Ordem, conhecendo os antecedentes de João, o submeteu a duras provas de sua vocação e, por tudo, João passou com humildade e paciência.

Ordenado sacerdote consagrou-se ao poder do Espírito no apostolado da pregação; viveu de modo profundo o espírito de mortificação. João de Capistrano enfrentou a ameaça dos turcos contra a Europa e a tentativa de desunião no seio da própria Ordem Franciscana. Apesar de homem de ação prodigiosa e de suas contínuas viagens através de toda a Europa descalço, João foi também escritor fecundo, consumido pelo trabalho.

São João tinha muita habilidade para a diplomacia; era sábio, prudente, e media muito bem seus julgamentos e suas palavras. Tinha sido juiz e governador e sabia tratar muito bem às pessoas. Por isso quatro Pontífices (Martinho V, Eugênio IV, Nicolau V e Calixto III) empregaram-no como embaixador em muitas e muito delicadas missões diplomáticas e com muito bons resultados.

Três vezes os Sumos Pontífices quiseram nomeá-lo Bispo de importantes cidades, mas preferiu seguir sendo humilde pregador, pobre e sem títulos honoríficos. Em 1453, os turcos muçulmanos propuseram invadir a Europa para acabar com o Cristianismo. Então São João foi à Hungria e percorreu toda a nação pregando ao povo, incitando-o a sair entusiasta em defesa de sua santa religião. As multidões responderam a seu chamado, e logo se formou um bom exército de crentes. Os muçulmanos chegaram perto de Belgrado com 200 canhões, uma grande frota de navios de guerra pelo rio Danúbio, e 50.000 terríveis jenízaros da cavalo, armados até os dentes. Os chefes católicos pensaram em retirar-se porque eram muito inferiores em número.

Mas foi aqui quando interveio João de Capistrano: empunhando um crucifixo, foi percorrendo com ele todas as fileiras, animando os soldados com a lembrança de que iam combater por Jesus Cristo, o grande Deus dos exércitos. tanta confiança e coragem inspirou a presença do santo aos cristãos, que logo ao primeiro ímpeto foi derrotado o exército otomano.

Morreu aos 71 anos de idade a 23 de outubro de 1456 e foi beatificado pelo Papa Leão X e solenemente canonizado pelo Papa Alexandre VIII no ano de 1690.

São João de Capistrano, rogai por nós!

Sala das Promessas reúne objetos que traduzem a fé dos romeiros de Aparecida

By / 23rd outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

São muitas as demonstrações de amor e agradecimento à intercessão de Nossa Senhora Aparecida, um exemplo disso é a Sala das Promessas, também conhecida como ‘Sala dos Milagres’.

O espaço, localizado no subsolo do Santuário Nacional desde 1974, expõe uma variedade de ex-votos (objeto ofertado pelos devotos), que são entregues diariamente pelos romeiros que visitam o Santuário de Aparecida.

Cada objeto deixado na Sala das Promessas é a expressão do agradecimento ou súplica de um pedido, representando algo do cotidiano do devoto, como uma situação de risco de vida, saúde, problemas familiares, desemprego, conquistas, entre outros.

De acordo com dados do controle de estatística da Sala das Promessas, em julho de 2017, foram mais de 84 mil visitantes, e no mês de outubro esse número dobra.

Entre os itens ofertados a Mãe Aparecida, às peças de cera são os objetos mais entregues. Para atender o grande número de romeiros que procuram peças que representem o seu agradecimento ou pedido, o Santuário de Aparecida criou a Casa das Velas.

No local os romeiros encontram, além das velas comuns e velas de metro, as peças em cera de casa, carro, chave, órgãos e membros do corpo humano, como coração, pulmão, cabeça, joelho, entre outros. Entre as cinco peças de cera mais vendidas está: a Casa, a Cabeça Mirim Feminina, Coração, Carteira de Trabalho e Joelho. Os dados são referentes ao mês de outubro de 2016.

A Sala das Promessas também recebe frequentemente, objetos de agradecimento de famosos devotos de Nossa Senhora Aparecida, como Ronaldo fenômeno, Ayrton Senna, Natália Guimarães (Miss Brasil 2007), Debora Lyra (Miss Brasil 2010), Marcos Mion, Cigano (lutador), Renato Aragão, Rio Negro e Solimões, Marcos Pontes (astronauta), Daniel, Thiaguinho, Hugo e Thiago, Franck Aguiar, entre outros.

Para entregar um ex-voto, o devoto deve se dirigir até o balcão de atendimento, localizado no interior da Sala das Promessas e entregar aos colaboradores que ali trabalham. A outra opção, caso esteja impossibilitado de vir ao Santuário de Aparecida, é enviar pelo correio:

Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida
A/C: Sala das Promessas Av. Dr. Júlio Prestes, s/nº – Ponte Alta – Aparecida (SP)

Santa Margarida Maria Alacoque, devota do Sagrado Coração de Jesus

By / 16th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

Santa Margarida Maria Alacoque, diante do Coração Eucarístico começou a ter revelações divinas

Deus suscitou este luzeiro, ou seja, portadora da luz, que é Cristo, num período em que na Igreja penetrava as trevas do Jansenismo (doutrina que pregava um rigorismo que esfriava o amor de muitos e afastava o povo dos sacramentos). O nome de Santa Margarida Maria Alacoque está intimamente ligado à fervorosa devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Nasceu na França em 1647, teve infância e adolescência provadas, sofridas. Órfã de pai e educada por Irmãs Clarissas, muito nova pegou uma estranha doença que só a deixou depois de fazer o voto à Santíssima Virgem.

Com a intercessão da Virgem Maria, foi curada e pôde ser formada na cultura e religião. Até que provada e preparada no cadinho da humilhação, começou a cultuar o Santíssimo Sacramento do Altar e diante do Coração Eucarístico começou a ter revelações divinas.

“Eis aqui o coração que tanto amou os homens, até se esgotar e consumir para testemunhar-lhe seu amor e, em troca, não recebe da maior parte senão ingratidões, friezas e desprezos”. As muitas mensagens insistiram num maior amor à Santíssima Eucaristia, à Comunhão reparadora nas primeiras sextas-feiras do mês e à Hora Santa em reparação da humanidade.

Incompreendida por vários, Margarida teve o apoio de um sacerdote, recebeu o reconhecimento do povo que podia agora deixar o medo e mergulhar no amor de Deus. Leão XIII consagrou o mundo ao Sagrado Coração de Jesus e o Papa Pio XIII recomendou esta devoção que nos leva ao encontro do Coração Eucarístico de Jesus. Santa Margarida Maria Alacoque morreu em 1690 e foi canonizada pelo Papa Bento XV em 1920.

Santa Margarida Maria Alacoque, rogai por nós!

Homilia do Papa na canonização de beatos do Brasil, México, Espanha e Itália

By / 16th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off


HOMILIA

Missa de canonização dos beatos André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e 27 companheiros leigos; Cristóvão, António e João; Faustino Míguez; Ângelos de Acri
Praça São Pedro – Vaticano
Domingo, 15 de outubro de 2017

Boletim da Santa Sé

A parábola, que ouvimos, fala-nos do Reino de Deus comparando-o a uma festa de núpcias (Mt 22, 1-14). Protagonista é o filho do rei, o noivo, no qual facilmente se vislumbra Jesus. Na parábola, porém, nunca se fala da noiva, mas de muitos convidados, desejados e esperados: são eles que trazem o vestido nupcial. Tais convidados somos nós, todos nós, porque o Senhor deseja «celebrar as bodas» com cada um de nós. As núpcias inauguram uma comunhão total de vida: é o que Deus deseja ter com cada um de nós. Por isso o nosso relacionamento com Ele não se pode limitar ao dos devotados súbditos com o rei, ao dos servos fiéis com o patrão ou ao dos alunos diligentes com o mestre, mas é, antes de tudo, o relacionamento da noiva amada com o noivo. Por outras palavras, o Senhor deseja-nos, procura-nos e convida-nos, e não se contenta com o nosso bom cumprimento dos deveres e a observância das suas leis, mas quer uma verdadeira e própria comunhão de vida connosco, uma relação feita de diálogo, confiança e perdão.

Esta é a vida cristã, uma história de amor com Deus, na qual quem toma gratuitamente a iniciativa é o Senhor e nenhum de nós pode gloriar-se de ter a exclusividade do convite: ninguém é privilegiado relativamente aos outros, mas cada um é privilegiado diante de Deus. Deste amor gratuito, terno e privilegiado, nasce e renasce incessantemente a vida cristã. Podemos interrogar-nos se, ao menos uma vez por dia, confessamos ao Senhor o amor que Lhe temos; se, entre tantas palavras de cada dia, nos lembramos de Lhe dizer: «Amo-Vos, Senhor. Vós sois a minha vida». Com efeito, se se perde de vista o amor, a vida cristã torna-se estéril, torna-se um corpo sem alma, uma moral impossível, um conjunto de princípios e leis a respeitar sem um porquê. Ao contrário, o Deus da vida espera uma resposta de vida, o Senhor do amor espera uma resposta de amor. No livro do Apocalipse Ele, dirigindo-Se a uma das Igrejas, faz-lhe concretamente esta censura: «Abandonaste o teu primitivo amor» (2, 4). Aqui está o perigo: uma vida cristã rotineira, onde nos contentamos com a «normalidade», sem zelo nem entusiasmo e com a memória curta. Em vez disso, reavivemos a memória do primitivo amor: somos os amados, os convidados para as núpcias, e a nossa vida é um dom, sendo-nos dada em cada dia a magnífica oportunidade de responder ao convite.

Mas o Evangelho adverte-nos: o convite pode ser recusado. Muitos convidados disseram que não, porque estavam presos aos próprios interesses: «eles, sem se importarem – diz o texto –, foram um para o seu campo, outro para o seu negócio» (Mt 22, 5). Uma palavra reaparece: seu; é a chave para entender o motivo da recusa. De facto, os convidados não pensavam que as núpcias fossem tristes ou chatas, mas simplesmente «não se importaram»: viviam distraídos com os seus interesses, preferiam ter qualquer coisa em vez de se comprometer, como o amor exige. Vemos aqui como se afasta do amor, não por malvadez, mas porque se prefere o seu: as seguranças, a autoafirmação, as comodidades… Então reclinamo-nos nas poltronas dos lucros, dos prazeres, de qualquer passatempo que nos faça estar um pouco alegres. Mas deste modo envelhece-se depressa e mal, porque se envelhece dentro: quando o coração não se dilata, fecha-se, envelhece. E quando tudo fica dependente do próprio eu – daquilo com que concordo, daquilo que me serve, daquilo que pretendo –, tornamo-nos rígidos e maus, reagimos maltratando por nada, como os convidados do Evangelho que chegam ao ponto de insultar e até matar (cf. v. 6) aqueles que levaram o convite, apenas porque os incomodavam.

Assim, o Evangelho pergunta-nos de que parte estamos: da parte do próprio eu ou da parte de Deus? Pois Deus é o oposto do egoísmo, da autorreferencialidade. Como nos diz o Evangelho, perante as contínuas recusas, os fechamentos em relação aos seus convites, Ele prossegue, não adia a festa. Não se resigna, mas continua a convidar. Vendo os «nãos», não fecha a porta, mas inclui ainda mais. Às injustiças sofridas, Deus responde com um amor maior. Nós muitas vezes, quando somos feridos por injustiças e recusas, incubamos ressentimento e rancor. Ao contrário Deus, ao mesmo tempo que sofre com os nossos «nãos», continua a relançar, prossegue na preparação do bem mesmo para quem faz o mal. Porque assim é o amor, faz o amor; porque só assim se vence o mal. Hoje, este Deus que não perde jamais a esperança, compromete-nos a fazer como Ele, a viver segundo o amor verdadeiro, a superar a resignação e os caprichos de nosso «eu» suscetível e preguiçoso.

Há um último aspeto que o Evangelho destaca: o vestido dos convidados, que é indispensável. Com efeito, não basta responder uma vez ao convite, dizer «sim» e… chega! Mas é preciso vestir o costume próprio, é preciso o hábito do amor vivido cada dia. Porque não se pode dizer «Senhor, Senhor», sem viver e praticar a vontade de Deus (cf. Mt 7, 21). Precisamos de nos revestir cada dia do seu amor, de renovar cada dia a opção de Deus. Os Santos canonizados hoje, sobretudo os numerosos Mártires, indicam-nos esta estrada. Eles não disseram «sim» ao amor com palavras e por um certo tempo, mas com a vida e até ao fim. O seu hábito diário foi o amor de Jesus, aquele amor louco que nos amou até ao fim, que deixou o seu perdão e as suas vestes a quem O crucificava. Também nós recebemos no Batismo a veste branca, o vestido nupcial para Deus. Peçamos a Ele, pela intercessão destes nossos irmãos e irmãs santos, a graça de optar por trazer cada dia esta veste e de a manter branca. Como consegui-lo? Antes de mais nada, indo sem medo receber o perdão do Senhor: é o passo decisivo para entrar na sala das núpcias e celebrar a festa do amor com Ele.

Santo Alexandre Sauli – Bispo da Igreja de Aléria

By / 11th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

Santo Alexandre Sauli, entregou-se com zelo ao ministério da Palavra e da Reconciliação

Santo Alexandre Sauli nasceu em Milão no ano de 1530. Desde a infância foi cumulado com as mais abundantes bênçãos do céu. Consagrou-se sem reserva ao serviço de Deus na Congregação dos Barnabitas. Entregou-se com zelo ao ministério da Palavra e da Reconciliação, mortificando o corpo com a fadiga dos trabalhos e vigílias; e nem o cargo de professor de Filosofia e Teologia na Universidade de Pavia, fez Alexandre abandonar o ministério da Palavra e do Confessionário. Comunidades inteiras se colocaram sob a sua direção espiritual para aprender de tão abalizado mestre os meios para chegar à perfeição.

Ainda não tinha 32 anos quando foi eleito Superior Geral da Ordem. A capacidade com que desempenhou este cargo deu novo esplendor ao Instituto. Foi nomeado Bispo da Igreja de Aléria, na Ilha de Córsega, em 1570 pelo Papa Pio V.

O novo Bispo, apenas sagrado por São Carlos Borromeo, partiu com três padres da sua Ordem para o rebanho que o Senhor lhe confiara. Chegando em Aléria, encontrou nesta diocese inúmeras dificuldades: por toda a parte teve de cortar abusos, abolir costumes escandalosos, fundar igrejas e levantar as que estavam em ruínas, e prover à decência do culto. Necessitou de estabelecer colégios e fundar seminários onde se pudesse formar a juventude. Seus constantes trabalhos não lhe impediam os jejuns contínuos e a rigorosa abstinência. Apesar de seus poucos rendimentos, o santo Bispo não deixava de dar esmolas abundantes.

A veneração em que era tido o santo apóstolo de Córsega, levou as cidades de Trotona e de Gênova a pedi-lo para seu pastor, mas ele de modo nenhum queria deixar a sua primeira diocese, à qual tinha profunda afeição. No entanto, em 1591, teve de obedecer às ordens do Papa Gregório XIV, que o nomeou Bispo de Pavia. Uma vez ali, Santo Alexandre empreendeu logo a visita da sua nova diocese.

Contudo, Santo Alexandre adoeceu gravemente vindo a falecer a 11 de outubro de 1592. Atestaram a sua santidade diferentes milagres. Foi beatificado em 1741 pelo Papa Bento XIV e canonizado em 1904 por São Pio X.

Santo Alexandre Sauli, rogai por nós!

Brasil tem 38 Santuários de Aparecida

By / 11th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

Você sabia que no Brasil existem vários santuários de Aparecida? Contando com o Santuário Nacional, a Redação do Portal A12 conseguiu listar 38 em todas as regiões do país.

Alguns deles compartilharam conosco, como têm se preparado para o Jubileu de 300 anos do encontro da Imagem no Rio Paraíba do Sul. Veja abaixo, quatro exemplos e descubra que só não vai poder celebrar a Festa da Padroeira quem não quiser, pois opção é o que não falta.

Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, Diocese de Jundiaí (SP)

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, Jundiaí (SP)

Este ano, em comunhão com o Santuário Nacional, para eternizar a presença das paróquias da Diocese de Jundiaí, estão em romaria a cada noite da novena, romeiros de cada região pastoral. Segundo o reitor, Padre Márcio Felipe de Souza Alves, representantes de cada uma das 66 paróquias da Diocese tratarão um pouco de terra e assim será colocada numa “anfora” e depois este recipiente será entronizado num monumento para marcar as comemorações dos 300 anos do encontro da Imagem. “Confesso que esta ideia surgiu a partir das celebrações da coroação, durante os dias 12 de cada mês que foram realizadas no Santuário Nacional”, comenta o Padre.

Por lá o santuário é paróquia e foi elevado a dignidade de Santuário Diocesano no dia 22 de dezembro de 1992. Isso se deu pelo grande número de fiéis que diariamente acorriam a Senhora Aparecida para pedir e agradecer os benefícios recebidos.

Santuário de Aparecidinha em Sorocaba (SP)

Reprodução
Reprodução
Santuário Novo de Aparecidinha, Sorocaba (SP)

Já no Santuário localizado em Sorocaba, um tríduo preparatório vai celebrar Aparecida. “São três dias da comunidade reunida em família, todos juntos homenageando a Padroeira do Brasil. Porém, em virtude do Ano Jubilar Mariano as homenagens à Nossa Senhora Aparecida começaram já no início do ano. Para que todas as Paróquias na Arquidiocese de Sorocaba pudessem participar do solene evento”, conta o reitor do local, Padre José Antonio de Oliveira Leite. Na cidade, a Imagem de Nossa Senhora Aparecida visitou 60 paróquias da Arquidiocese. “Dez meses da Virgem Maria levando esperança ao povo de Sorocaba e região”, relata.

Santuário Diocesano de Nossa Senhora Aparecida, Bauru (SP)

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Santuário Diocesano de Nossa Senhora Aparecida, Bauru (SP)

Em Bauru a novena segue, todos os dias e a celebração é feita junto com uma Santa Missa. Neste ano a participação de outras comunidades paroquiais da cidade é maciça. A cada dia da novena um padre e sua comunidade serão responsáveis pela animação litúrgica, oferta de flores, bênçãos, consagração e homenagens à Nossa Senhora Aparecida. No Dia da Padroeira estão programadas seis missas “Este ano a comunidade paroquial celebra o Jubileu de 65 anos de Paróquia e 16 anos de instalação do Santuário Diocesano”, comenta o reitor Padre Gilberto Gonçalves Pinto, MSC.

Santuário de Aparecida de São Manuel

Reprodução
Reprodução
Santuário de Aparecida de São Manuel, São Manuel (SP)

O Santuário Nossa Senhora Aparecida na cidade de São Manuel (SP) está localizado no Distrito de Aparecida de São Manuel. É considerado o segundo santuário a ser dedicado a Padroeira do Brasil. A história da devoção começou por volta de 1840, e em 1858 foi inaugurada a primeira capela dedica a Nossa Senhora Aparecida. Com o grande número de fiéis, houve a necessidade de se construir uma nova igreja, inaugurada em fevereiro de 1911, e elevada a Santuário em 15 de agosto de 1913. Tornando-se dessa forma o segundo santuário brasileiro dedicado a Nossa Senhora Aparecida, e o primeiro santuário da Diocese de Botucatu. O Santuário recebe todos os anos milhares de romeiros, que vivenciam sua devoção à Rainha e Padroeira do Brasil.

De acordo com o reitor, Padre Emerson Rogério Anizi, durante todo o mês de outubro, o Santuário recebe a presença das Romarias a pé e Cavalgada de comitivas de cidades da região, e celebra o Tríduo Solene com bênçãos especiais aos fiéis, o dia da festa é onde milhares de romeiros tem a oportunidade de agradecer Nossa Senhora pelas graças recebidas, neste ano a programa do Tricentenário é especial, e no dia 12 de outubro teremos: às 08h a Missa que recebe os peregrinos que se dirigem a pé até o Santuário, às 11h será a Missa Sertaneja acolhendo a Cavalgada de Nossa Senhora, e às 18h ocorre a Missa Solene presidida pelo Arcebispo de Botucatu, Dom Maurício Grotto de Camargo, seguida da procissão com a imagem de Nossa Senhora pelas ruas do Distrito de Aparecida de São Manuel. Em ambas as festas acontecem grandes quermesses que reúnem milhares de pessoas, com a renda revertida para as obras do Santuário.

São João Leonardo, fundou a Companhia da Doutrina Cristã

By / 9th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

São João Leonardo fundou a “Companhia da Doutrina Cristã”, visando a catequese das crianças

São João Leonardo nasceu em Lucca, na Toscana (Itália), em 1541. Seguiu a profissão de seu pai (farmacêutico), até que respondeu sim ao sacerdócio. Tocado pelo abandono das crianças, sem escola e sem educação religiosa, São João Leonardo fundou a “Companhia da Doutrina Cristã”, visando a catequese das crianças, assim como instituiu a “Congregação dos Clérigos Regulares da Mãe de Deus”, com o carisma correspondente a educação popular e promoção da vida sacramental.

Depois de voltar da piedosa romaria que fez para o Santuário de Nossa Senhora de Loreto, São João Leonardo passou em Roma, onde fundou a “Propaganda da Fé”, como local de formação do Clero em terras de missão e assistência às vítimas da peste. Amigo de vários outros santos, como São Felipe Néri, São José Calazans e São Camilo de Léllis, testemunhou que grandes renovações na Igreja e fora, partem de grandes corações apaixonados por Jesus e pela humanidade.

São João Leonardo partiu para a glória no ano de 1609, ao consumir-se na assistência à Jesus Cristo na pessoa de inúmeros doentes.

São João Leonardo, rogai por nós!

Representante do Papa chega a Aparecida para comemorações dos 300 anos

By / 9th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

O Prefeito emérito da Congregação para os Bispos e Presidente emérito da Pontifícia Comissão para a América Latina, Cardeal italiano Giovanni Battista Re, chegou a Aparecida na manhã de segunda-feira, (09). O Cardeal é Legado Pontifício, representante da Santa Sé enviado pelo Papa Francisco, para as festividades do Jubileu dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida.

Dom Giovanni Battista Re foi recepcionado pelo Arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, pelo Arcebispo de São Paulo, Cardeal Dom Odilo Scherer, pelo reitor do Santuário, padre João Batista de Almeida, pelo ecônomo, padre Daniel Antônio, pelo prefeito de Igreja, padre Rodrigo Arnoso e diversos Missionários Redentoristas do convento do Santuário Nacional.

Essa será a segunda vez que o cardeal visita a cidade de Aparecida, em 2007, Dom Giovanni Battista Re foi o Presidente da V Conferência do Episcopado Latino-Americano.

“Com grande alegria estou retornando a Aparecida. Já estive aqui por ocasião da V Conferência do Episcopado Latino Americano. O que mais me impressionou foi a grande quantidade de peregrinos que vem ao Santuário. Retorno com particular alegria, pois vou representar o Papa Francisco. O Santo Padre que envia uma Rosa de Ouro como símbolo de seu amor a Nossa Senhora, assim como seu afeto ao povo brasileiro”, afirmou Cardeal Giovanni Battista Re.

Dom Giovanni Battista fez questão de passar pelo Nicho que abriga a imagem de Nossa Senhora Aparecida e rezar aos pés da Padroeira do Brasil.

O Cardeal participa da Novena Solene, na noite desta segunda-feira, onde apresentará a Rosa de Rosa de Ouro, presente do Papa Francisco ao Santuário Nacional, pelas comemorações dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida.

O Legado Pontifício ainda presidirá a missa das 9h, no dia 11 de outubro, e a Missa Solene, às 9h30, no dia 12 de outubro.

Cardeal Giovanni Battista Re

No Brasil a sua representação também aconteceu em 27 de fevereiro de 2011 na Dedicação solene da Catedral de Santa Maria Mãe de Deus em Castanhal, no Pará, enviado pelo papa Bento XVI.

Cardeal desde 2001, Dom Giovanni Battista Re renunciou em 2010, após alcançar o limite de idade previsto de 75 anos, aos cargos de Prefeito da Congregação para os Bispos e de Presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina, que ocupava desde 2000.

Em 2013, presidiu o Conclave que elegeu o Papa Francisco e atualmente, é o vice-Decano do Colégio de Cardeais.