Nossa Senhora do Rosário

By / 7th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

Maria apareceu a São Domingos e indicou-lhe o Rosário como potente arma para a conversão

Esta festa foi instituída pelo Papa Pio V em 1571, quando celebrou-se a vitória dos cristãos na batalha naval de Lepanto. Nesta batalha os cristãos católicos, em meio a recitação do Rosário, resistiram aos ataques dos turcos otomanos vencendo-os em combate.

A celebração de hoje convida-nos à meditação dos Mistérios de Cristo, os quais nos guiam à Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus.

A origem do Rosário é muito antiga, pois conta-se que os monges anacoretas usavam pedrinhas para contar o número das orações vocais. Desta forma, nos conventos medievais, os irmãos leigos dispensados da recitação do Saltério (pela pouca familiaridade com o latim), completavam suas práticas de piedade com a recitação de Pai-Nossos e, para a contagem, o Doutor da Igreja São Beda, o Venerável (séc. VII-VIII), havia sugerido a adoção de vários grãos enfiados em um barbante.

Na história também encontramos Maria que apareceu a São Domingos e indicou-lhe o Rosário como potente arma para a conversão: “Quero que saiba que, a principal peça de combate, tem sido sempre o Saltério Angélico (Rosário) que é a pedra fundamental do Novo Testamento. Assim quero que alcances estas almas endurecidas e as conquiste para Deus, com a oração do meu Saltério”.

Essa devoção, propagada principalmente pelos filhos de São Domingos, recebe da Igreja a melhor aprovação e foi enriquecida por muitas indulgências. Essa grinalda de 200 rosas – por isso Rosário – é rezado praticamente em todas as línguas, e o saudoso Papa João Paulo II e tantos outros Papas que o precederam recomendaram esta singela e poderosa oração, com a qual, por intercessão da Virgem Maria, alcançamos muitas graças de Jesus, como nos ensina a própria Virgem Santíssima em todas as suas aparições.

Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!

Era domingo, 17 de outubro de 1717

By / 7th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

O governador das Minas e São Paulo, D. Pedro de Almeida (1688-1756), o Conde de Assumar, estava em viagem (24/7). Saiu do Rio de Janeiro, por terra (a cavalo, a pé e carregado por escravos negros), e por Mar até Cubatão-SP, subiu a Serra do Mar e chegou a São Paulo (1/9). Nesta, tomou posse (4/9), permaneceu ali por 26 dias, onde encaminhou seus comandos de governança. Ele seguiu viagem (27/9), quase sempre carregado por índios, numa cadeira “em forma de andor”, passando pelas Aldeias da Escada e Umboassica, e nas povoações de Mogi das Cruzes, Jacareí, Caçapava, Taubaté e Pindamonhangaba (13-16/10).

No dia 16 pernoitou próximo da atual Roseira-SP, no dia seguinte, após a missa dominical e café da manhã, seguiu para Guaratinguetá-SP. Era domingo, 17 de outubro de 1717. Muitos pescadores tentaram a noite toda e não pescaram nenhum peixe. Eles estavam tensos por correr o risco de faltar com a Intimação da Câmara de Vereança. Mas, no raiar daquele dia, os pescadores: João Alves, Domingos Garcia e Felipe Pedroso, no Porto Itaguaçu, retiram das águas do Rio Paraíba do Sul, em rede de arrasto, uma imagenzinha de barro da Imaculada Conceição, quebrada, e logo em seguida, noutro lugar, retiraram a cabeça da mesma imagem. Após este reconhecimento, a imagem de Nossa Senhora foi enrolada decentemente em panos e colocada na canoa. Depois do “encontro” da imagem, a pescaria foi grande e ficaram admirados com tantos peixes.

Na Freguesia de Guaratinguetá (SP) havia muita violência. Os pobres eram excluídos, principalmente os índios e negros, e seus descendentes.

A população era constituída na sua maioria por mulheres. Havia muita miséria e corrupção. A justiça quase sempre era comprada pelos ricos. Os pobres ficavam à mercê da sorte. A alimentação básica era constituída de frutos e almeirões silvestres, alguns peixinhos, caças e formigas içás. Boa parte dos homens estava nas Minas, em busca das iludidas riquezas.

Foi neste cenário Sóciocultural que Nossa Senhora deixou se encontrar… Ela veio em socorro do Povo Brasileiro. Ela é Nossa Mãe, Rainha e Padroeira… A fé sadia é a força do cristão!

São Francisco de Assis, o santo que desposou a pobreza

By / 4th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off

São Francisco de Assis, o mais santo dos italianos, renunciou toda a riqueza

Francisco nasceu em Assis, na Úmbria (Itália) em 1182. Jovem orgulhoso, vaidoso e rico, que se tornou o mais italiano dos santos e o mais santo dos italianos. Com 24 anos, renunciou a toda riqueza para desposar a “Senhora Pobreza”.

Aconteceu que Francisco foi para a guerra como cavaleiro, mas doente ouviu e obedeceu a voz do Patrão que lhe dizia: “Francisco, a quem é melhor servir, ao amo ou ao criado?”. Ele respondeu que ao amo. “Porque, então, transformas o amo em criado?”, replicou a voz. No início de sua conversão, foi como peregrino a Roma, vivendo como eremita e na solidão, quando recebeu a ordem do Santo Cristo na igrejinha de São Damião: “Vai restaurar minha igreja, que está em ruínas”.

Partindo em missão de paz e bem, seguiu com perfeita alegria o Cristo pobre, casto e obediente. No campo de Assis havia uma ermida de Nossa Senhora chamada Porciúncula. Este foi o lugar predileto de Francisco e dos seus companheiros, pois na Primavera do ano de 1200 já não estava só; tinham-se unido a ele alguns valentes que pediam também esmola, trabalhavam no campo, pregavam, visitavam e consolavam os doentes. A partir daí, Francisco dedica-se a viagens missionárias: Roma, Chipre, Egito, Síria… Peregrinando até aos Lugares Santos. Quando voltou à Itália, em 1220, encontrou a Fraternidade dividida. Parte dos Frades não compreendia a simplicidade do Evangelho.

Em 1223, foi a Roma e obteve a aprovação mais solene da Regra, como ato culminante da sua vida. Na última etapa de sua vida, recebeu no Monte Alverne os estigmas de Cristo, em 1224.

Já enfraquecido por tanta penitência e cego por chorar pelo amor que não é amado, São Francisco de Assis, na igreja de São Damião, encontra-se rodeado pelos seus filhos espirituais e assim, recita ao mundo o cântico das criaturas. O seráfico pai, São Francisco de Assis, retira-se então para a Porciúncula, onde morre deitado nas humildes cinzas a 3 de outubro de 1226. Passados dois anos incompletos, a 16 de julho de 1228, o Pobrezinho de Assis era canonizado por Gregório IX.

São Francisco de Assis, rogai por nós!

Juventude faz marcante participação na Novena da Padroeira

By / 4th outubro, 2017 / Últimas notícias / Off
Novena da Noite

O colorido dos lenços já anunciava a presença jovem na noite deste terceiro dia (03) da Novena da Padroeira que celebrou o tema “Senhora Aparecida: Das águas aos sinais de redenção”.

carro andor trazendo a imagem de Nossa Senhora foi construído com vários cubos, lembrando peças de lego, com palavras como fé, esperança, respeito, alegria, remontando o caminho que a juventude faz de construção da sua vida e busca pela vontade de Deus.

A imagem entrou ao som de “Maria, Maria”, música de Milton Nascimento, na voz de Mariangela Zan, cantora e apresentadora da TV Aparecida. Junto dela, nos corredores do Santuário Nacional, uma centena de jovens entrou, com alegria, acenando seus celulares com lanternas acesas, lembrando que, na presença de Maria, a juventude reflete a luz de Cristo.

Dom Flávio Giovanale, SDB, arcebispo de Santarém (PA), presidiu a Novena e iniciou sua reflexão dizendo que muitos trazem o discurso de que a juventude atual “não presta e não quer nada com nada”. No entanto, indagou: “De onde saem esses jovens que não prestam? Saem de nossas famílias?”, e acrescentou: “Nós, que já passamos pela juventude, vamos ajudar a Cristo e a Nossa Senhora para que os jovens tenham vida e vida em abundância”.

O bispo ainda recordou que os pescadores encontraram a imagem de Nossa Senhora quebrada e mesmo assim a guardaram.

“Quando recebemos coisa quebrada, jogamos fora. (…) Se nós quisermos acolher os sinais de redenção, somos convidados a não desprezar aqueles que estão quebrados: pelo pecado, pela droga, pela doença. Temos que amar como Deus ama, não porque merecemos, mas porque precisamos. (…) Por isso, é preciso então que juntemos os cacos nossos, da nossa família, da Igreja e do Brasil. Que possamos fazer isso pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida e com a bênção e a mão de Deus”, finalizou.

Thiago Leon
Thiago Leon
Mariangela Zan participa da Novena Solene

Mariangela Zan conta emocionada que foi a primeira vez que cantou dentro do Santuário Nacional: “É emoção demais, não dá pra descrever, só sentir. É uma emoção que eu vou guardar pra sempre em minha vida. E não trouxe nenhum pedido. Nossa Senhora Aparecida tem me dado tudo que eu preciso, então só tenho que agradecer”.

Novena da Tarde

Alegria, coração palpitando e emoção, esse foi relato das integrantes da Família da Madre Paulina – FAMAPA, que neste 3º dia da Novena da Padroeira do Brasil participaram da entrada do Santíssimo durante a celebração das 15h no Altar Central.

Desde o dia 1º de outubro até o dia 12, diversas congregações religiosas, entidades assistenciais, movimentos da igreja católica, setores dos órgãos públicos da cidade de Aparecida, membros das equipes de liturgia e colaboradores do Santuário irão participar de momentos especiais da Novena e Festa da Padroeira.

Marília Ribeiro
Marília Ribeiro
Família Madre Paulina no 3º da Novena.

Na Novena da tarde deste dia 3 de outubro, foi a vez das cerca de 30 pessoas da FAMAPA unidas as representantes da Secretaria da Mulher, Divisão de Cultural e Secretaria de Turismo de Aparecida entrarem com velas nas mãos na procissão do Santíssimo Redentor.

Para Maria Madalena, integrante do grupo, essa oportunidade de participar da Novena é um privilégio. “Para nós é um privilegio participar de um momento como esse, entrando com Deus todo poderoso, ainda mais nesta Festa dos 300 anos, é uma felicidade muito grande”, expressou.

A coordenadora da FAMAPA de Aparecida, Eliana Vitalina da Silva destacou que celebrar a Novena da Padroeira com essa participação é colocar toda a Família da Madre Paulina em oração no Santuário. “Pra gente é uma grande alegria e entusiasmo estar participando desse momento de glória e poder representar toda a Família de Madre Paulina do mundo inteiro e ainda colocar todos em nossas orações”.

O 3º dia da Novena da Padroeira refletiu o tema ‘Senhora Aparecida: das águas aos sinais da redenção’, tendo como presidente da celebração Dom Vicente Ferreira, Bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG). Em sua homilia o missionário redentorista recordou o encontro da imagem de Aparecida em um momento difícil dos pescadores e relacionou com a presença de Maria no calvário, lembrando que Maria é mãe companheira, acolhedora e peregrina.

“Maria sempre foi a companheira, a mãe, aquela que acompanha os discípulos e sempre nos acompanha… No chão da história desse povo brasileiro quantas vezes se construiu paz, se construiu fraternidade porque nos conseguimos trocar olhares com Nossa Senhora”, disse o bispo que completou a sua afirmação cantando um trecho da música Romaria.

São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja

By / 30th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

São Jerônimo, declarado pela Igreja como o padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia

Neste último dia do mês da Bíblia, celebramos a memória do grande “tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras”: São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja. Ele nasceu na Dalmácia em 340, e ficou conhecido como escritor, filósofo, teólogo, retórico, gramático, dialético, historiador, exegeta e doutor da Igreja. É de São Jerônimo a célebre frase: “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo”.

Com posse da herança dos pais, foi realizar sua vocação de ardoroso estudioso em Roma. Estando na “Cidade Eterna”, Jerônimo aproveitou para visitar as Catacumbas, onde contemplava as capelas e se esforçava para decifrar os escritos nos túmulos dos mártires. Nessa cidade, ele teve um sonho que foi determinante para sua conversão: neste sonho, ele se apresentava como cristão e era repreendido pelo próprio Cristo por estar faltando com a verdade (pois ainda não havia abraçado as Sagradas Escrituras, mas somente escritos pagãos). No fim da permanência em Roma, ele foi batizado.

Após isso, iniciou os estudos teológicos e decidiu lançar-se numa peregrinação à Terra Santa, mas uma prolongada doença obrigou-o a permanecer em Antioquia. Enfastiado do mundo e desejoso de quietude e penitência, retirou-se para o deserto de Cálcida, com o propósito de seguir na vida eremítica. Ordenado sacerdote em 379, retirou-se para estudar, a fim de responder com a ajuda da literatura às necessidades da época. Tendo estudado as línguas originais para melhor compreender as Escrituras, Jerônimo pôde, a pedido do Papa Dâmaso, traduzir com precisão a Bíblia para o latim (língua oficial da Igreja na época). Esta tradução recebeu o nome de Vulgata. Assim, com alegria, dedicação sem igual e prazer se empenhou para enriquecer a Igreja universal.

Saiu de Roma e foi viver definitivamente em Belém no ano de 386, onde permaneceu como monge penitente e estudioso, continuando as traduções bíblicas, até falecer em 420, aos 30 de setembro com, praticamente, 80 anos de idade. A Igreja declarou-o padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia e fixou o “Dia da Bíblia” no mês do seu aniversário de morte, ou ainda, dia da posse da grande promessa bíblica: a Vida Eterna.

São Jerônimo, rogai por nós!

Confira a agenda da juventude na Festa da Padroeira

By / 30th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

Se liga que a juventude vai estar aqui no Santuário Nacional para celebrar os 300 anos de Aparecida! A movimentação para a comemoração do tricentenário de Nossa Senhora está a todo vapor. Uma grande programação durante os 12 dias de festa está prevista, e os jovens, é claro, não ficam de fora dessa. A juventude, mais do que nunca, será parte especial e marcará presença nesse evento tão importante para todos os católicos e devotos da Mãe Aparecida, com uma agenda variada durante alguns dias da festa.

Thiago Leon
Thiago Leon

Confira as datas da agenda da juventude para a Festa da Padroeira:

03/10 (Terça-feira) – Novena da Noite com a presença de pastorais e movimento juvenil da Igreja;

05/10 (Quinta-feira) – Novena da tarde com a participação das escolas da cidade de Aparecida;

06 e 07/10 (Sexta-feira e Sábado) – Show do grupo italiano GenRosso;

07/10 (Sábado) – Vigília da Juventude.

Todos os momentos que serão vividos nestes dias são formas de representar o amor, a união, e principalmente a fé do jovem em Nossa Senhora. Mas, além de toda essa programação própria, nós também estamos convidados a participar de todos os outros eventos durante a festa. Além disso, você não pode não deixe de acompanhar as redes sociais do Jovens de Maria durante esse período, pois, do dia 1 até o dia 12 haverá:

• Toda a Cobertura da Festa da Padroeira;

• Um conteúdo especial no Facebook do Jovens de Maria em todo horário das 17h17.

Então você, Jovem de Maria, não deixe de participar desse momento tão marcante e especial para o povo brasileiro. Traga sua família, e juntos, façam da comemoração desses 300 anos de Nossa Senhora uma grande oportunidade para fortalecerem sua fé e devoção.

São Sérgio, considerado o grande educador do povo russo

By / 25th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

São Sérgio irradiava a cultura e a verdadeira fé

“Contemplando a Santíssima Trindade, vencer a odiosa divisão deste mundo”.

Esta frase reflete a alma contemplativa do santo de hoje, São Sérgio, considerado o “São Bento” da Rússia cristã. Na antiga Rússia o Cristianismo penetrou por volta do século IX, sendo Vlademiro, o primeiro príncipe a se converter ao Cristianismo, isto em 1010.

A religião do Cristo esteve sempre na Rússia, ligada mais ao Oriente do que a Roma. Monge Sérgio, tornou-se o grande evangelizador do século XIV, pois através de numerosos mosteiros irradiava a cultura e a verdadeira fé.

Após deixar o declínio da vida monástica na Rússia, Sérgio experimentou, com seu irmão, a construção numa floresta virgem de uma capela dedicada à Santíssima Trindade, devoção desconhecida naquele povo.

O irmão não aguentou, mas com firmeza e santidade, o santo de hoje atraiu a muitos até que edificaram um mosteiro em louvor a Santíssima Trindade.

Ordenado sacerdote para o melhor exercício da vocação de formar os monges na fundamental regra da oração e do trabalho, viveu São Sérgio: os “filhos”, a pobreza, a mansidão e total confiança na Divina Providência.

São Sérgio escreveu tanto que é considerado o grande educador nacional do povo russo. Faleceu com quase 80 anos de idade em 25 de setembro de 1392 no mosteiro da Santíssima Trindade.

São Sérgio, rogai por nós!

Conheça os mantos das visitas jubilares da Mãe Aparecida pelo Brasil

By / 25th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

Pascom Regional Centro-Oestes

Durante a peregrinação jubilar de Nossa Senhora Aparecida pelos estados do Brasil e o Distrito Federal, a imagem de Aparecida era apresentada aos devotos, com um manto especialmente confeccionado para cada uma das visitas.

Os 27 mantos foram minuciosamente cortados, bordados e costurados pela irmã Maria Regina da Imaculada Conceição, do Carmelo de Santa Teresinha do Menino Jesus da cidade de Aparecida (SP).

A produção foi realizada em dois anos, conforme a data da visita da imagem no Estado, em celebração aos 300 anos de bênçãos.

Irmã Maria Regina explica, que para que cada manto fosse único, contou com a inspiração de Nossa Senhora. “Nossa Senhora que me inspirou a criar desenhos diferentes para cada manto, eu sempre rezava primeiro para Ela e olhando para a imagem Dela me vinha a ideia dos desenhos, e eu ia montando”.

Quando perguntada sobre a sua motivação para a criação dos mantos, irmã Maria Regina expressa a sua devoção a Nossa Senhora. “A gente tem muita devoção em Nossa Senhora, a Mãe é tudo pra nós, então a gente se inspira e se anima querendo sempre bordar para deixar ela sempre bonita.”

 

 

Santo André Kim e companheiros mártires

By / 20th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

Os primeiros mártires coreanos escreveram, com sangue, as primeiras páginas da história na Igreja

Tornamos célebre neste dia o testemunho dos 103 mártires coreanos que foram canonizados pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Seul em maio de 1984.

Tudo começou no Século XVII, com o interesse pelo Cristianismo por parte de um grupo de letrados que ao lerem o livro do missionário Mateus Ricci com o título “O verdadeiro sentido de Deus”, tiveram a iniciativa de encarregar o filho do embaixador coreano na China, na busca das riquezas de Jesus Cristo.

Yi Sung-Hun dirigiu-se ao Bispo de Pequim que o catequizou e batizou, entrando por aí a Boa Nova na Coréia, ou seja, por meio de um jovem e ousado leigo cristão que, com amigos, fundaram uma primeira comunidade cristã.

Com a eficácia do Espírito, começaram a evangelizar de aldeia em aldeia ao ponto de somarem, em dez anos, dez mil testemunhas da presença do Ressuscitado. Várias vezes solicitaram do Bispo de Pequim o envio de sacerdotes, a fim de organizarem a Igreja. Roma, porém, era de difícil acesso e o Papa sofria com a prepotência de Napoleão, resultado: somente a Igreja pôde socorrer aos cristãos coreanos, trinta anos depois, quando os cristãos coreanos tinham sido martirizados aos milhares, juntamente com os 103 mártires, dentre estes: André Kim, o primeiro padre coreano morto em 1845; dez clérigos e 92 leigos.

Alguns testemunhos ficaram gravados, e dentre tantos: “Dado que o Senhor do céu é o Pai de toda a humanidade e o Senhor de toda a criação, como podeis pedir-me para o trair? Se neste mundo aquele que trair o pai ou a mãe não é perdoado, com maior razão, não posso nunca, trair aquele que é o Pai de todos nós!” (Teresa Kwon).

Os primeiros mártires coreanos escreveram, com sangue, as primeiras páginas da história na Igreja da própria pátria. Na data da canonização, bicentenária do início da evangelização da Coréia, esta nação contava com 1.4000.000 católicos, 14 Dioceses, 1.200 sacerdotes, 3.500 religiosos e 4.500 catequistas, atestando mais uma vez a frase de Tertuliano: “O sangue dos mártires é sangue de novos cristãos!”

Santo André Kim e companheiros mártires, rogai por nós!

Consep aprofunda temas importantes para a Igreja no Brasil

By / 20th setembro, 2017 / Últimas notícias / Off

5ª reunião do Consep acontece nesta terça e quarta-feira, 19 e 20, na sede provisória da CNBB em Brasília / Foto: CNBB

Nesta terça-feira, 19, começa a 5ª reunião do ano do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Os bispos se reúnem pela primeira vez na sede provisória da entidade, na Asa Norte de Brasília (DF), para aprofundar e deliberar sobre temas importantes para a vida da Igreja no Brasil.

Temas como a conjuntura social, econômica do Brasil, a Campanha da Fraternidade 2018, a preparação para o Dia do Pobre, definido pelo Papa Francisco e um balanço do Grito dos Excluídos, evento organizado com a participação da Igreja Católica, serão aprofundados e deliberados até esta quarta-feira, 20, pelo Consep.

Além disso, o documento Orientações Pastorais para Rádio, TV e Redes Sociais, elaborado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Social da CNBB, também passará pelo crivo dos participantes do Conselho.

Sobre o Consep

O Consep é uma das instâncias permanentes de trabalho da CNBB, em vista a animação da ação evangelizadora da Igreja no Brasil, e se reúne, ordinariamente, cerca de seis vezes ao ano. Em geral, seus encontros se revezam, mensalmente, com as reuniões do Conselho Permanente da Conferência.

Os membros do Consep são os bispos que compõem a presidência além daqueles que desempenham funções de confiança do episcopado – todos foram eleitos – em setores específicos da evangelização: Ministérios ordenados e vida consagrada; Liturgia; Animação Bíblico-Catequética; Cultura e educação; Ação social transformadora; Ação missionária e cooperação intereclesial; Ecumenismo e diálogo inter-religioso; Vida e Família; Doutrina da Fé; Juventude; Laicato e comunicação.

Além dos bispos que exercem a presidência em cada uma das comissões que respondem por cada uma dessas áreas, a reunião do Consep ainda acolhe a participação da assessoria da comissão episcopal especial para a Amazônia, representantes dos chamados Organismos do Povo de Deus – que representam os diáconos, os leigos, os religiosos, os institutos seculares – e responsáveis executivos ou delegados dos organismos ligados à CNBB como a Cáritas e o Conselho Indigenista Missionário (CIMI). Participam do encontro as assessorias canônica e de política, além dos assessores das comissões episcopais e membros da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP).